segunda-feira, 8 de julho de 2013

Realidade do Catolicismo na Tanzânia

Este texto foi publicado já a algum tempo e devia estar com a data original. Infelizmente precisou ser reeditado e veio aqui pro topo. Considerem a data original.

     Um seminarista da minha comunidade, Roniston, foi enviado ao Seminário Redemptoris Mater da Tanzânia, em Dar es Salaam, há uns três anos. Todos os anos ele vem ao Brasil para partilhar conosco a experiência da missão e tem nos contado uma realidade que jamais conheceríamos, mas que o Senhor proporcionou que conhecêssemos!

     Para começar, falarei um pouco do que ele nos contou sobre a cultura da Tanzânia, e outras coisas que, pelo que procurei, são raras na internet. A Tanzânia, a "terra das girafas", é um país de muitas religiões e possui muitos dialetos. O catolicismo sofre fortes perseguições dos muçulmanos, que já destruíram várias igrejas católicas. O catolicismo lá é um tanto carregado de sincretismo, haja vista  o fato de a cultura deles ser muito forte.

     Os jovens são circuncidados. As crianças desde cedo são educadas a não se aproximarem dos que não são negros, e os albinos são mutilados em rituais de bruxaria, pois acredita-se que as partes dos corpos dos albinos são valiosas. Eles se reproduzem muito e ao mesmo tempo muitos morrem de malária. É um povo que tem pouca higiene, até porque a água é contaminada; para conseguir entrar nos chamados "dala-dalas", uns microônibus lotados, têm que bater um no outro, até matar se for preciso (como o Roniston já viu acontecer), porque senão não voltam para casa. 

     Enfim, neste contexto se encontra o seminário. Possui seminaristas de dez nacionalidades diferentes que passam pelas chagas da malária e pelo preconceito dos nativos, devido à cor de suas peles. Deu para perceber o quanto é difícil a missão lá. Como dizer que Deus desceu e foi crucificado, sendo que desde cedo aprendem que existe o deus fulano, ciclano e beltrano, e que os ladrões até hoje morrem "crucificados" numa haste e depois mutilados?! A missão do neocatecumenato na Tanzânia tem sido também de humanização, pois as pessoas ainda não tem o conceito do ser pessoa, que tem de ter valores morais e espirituais. Até ensinam, por exemplo, que uma colher não é simplesmente coisa de branco, mas algo que foi inventado para que não sujássemos as mãos. Os nomes para os pecados, os padres tiveram que inventar na língua principal deles, para que soubessem.

                 Seminaristas do Redemptoris Mater - Tanzânia                               Comunidade Neocatecumenal na Tanzânia


    Os seminaristas também passam pelo desafio da pobreza: boa parte da comida vem de um supermercado que doa as mercadorias vencidas, das quais mais da metade não dá para aproveitar. Além disso, estão em um lugar provisório, esperando os donativos suficientes para a construção do novo local.

    Se achamos que somos perseguidos aqui só porque alguns nos acusam de  "adoradores dos santos", "ratos de igreja" ou "ultrapassados", não sabemos nada! Cada dia que aqueles rapazes estão lá é realmente como o último de suas vidas. Os muçulmanos, cujo lema é "matar em nome de Alá ou morrer em nome de Alá" a qualquer momento podem decidir por uma chacina. Mês passado mesmo, houve o caso de um padre italiano que estava em sua paróquia na Tanzânia, e veio um muçulmano e pôs um facão em seu pescoço, perguntando se ele negava a fé cristã. Ele não negou e sua cabeça foi decepada com o facão cego; um seminarista que estava lá se pronunciou dizendo que também não negava a fé, e sua cabeça também foi decepada. Este episódio foi filmado por alguém que estava no local. Isso mostra que ainda hoje o sangue precioso dos mártires é derramado, por amor a Cristo.

     A Igreja pede não que rezemos pelas almas destes mártires, pois já estão no céu (cf. Ap 7, 9.14), mas que rezemos pelas pessoas que ficaram sem pastor, pois este país urge de missionários. Aqui, ao menos todos ouvem falar de Cristo, ainda que não acreditem. Lá, muitos sequer ouviram falar, mas também foi por eles que o Senhor morreu e ressuscitou e disse "Ide a todas as nações e proclamai o Evangelho a toda criatura!" Mc 16,15. Cabe a nós, portanto, rezar pelas missões na África, onde a cada dia os enviados de Deus são mortos brutalmente e necessitam de ajuda. E quem quiser pode ajudar o RM da Tanzânia, conforme é dito abaixo:

-> Com suas orações;
-> Garantindo o estudos de um ou mais seminaristas;
-> Com donativos e presentes para as necessidades do seminário e para a construção da nova casa de formação, que pode ser feito em qualquer banco a partir das seguintes informações:
       SEMINARY USD CURRENT - VATICAN BANK ACCOUNT

*Beneficiário: ISTITUTO PER LE OPERE DI RELIGIONE CITTA DEL VATICAN
*Conta n.: 001-1-975000
*c/o: JPM Chase Manhattan Bank – New York
*ABA: 021000021
*Code SWIFT: CHASUS33
*Referência: REDEMPTORIS MATER DAR ES SALAAM – 42828002

-> Email do seminário: smrtanzania@gmail.com.

   Outra forma de ajudar a missão na Tanzânia : Missão Sede Santos

     A paz de Cristo!


 

1 comentários:

  1. Só uma correção: o padre que foi executado mês passado era da Polônia, não da Itália.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...